Não há dúvidas que quando falamos em Educação Cristã Clássica a linguagem é o pináculo para todo conhecimento.

Isso porque as Escrituras assim nos apontam. Deus criou o mundo falando, a queda foi resultado da mentira, a lei é expressa por “dez palavras”, a redenção vem pelo ouvir a Palavra de Deus, por meio do Espírito Santo os apóstolos puderem proclamar o evangelho nas mais diversas línguas. Douglas Wilson comenta:

O que torna a linguagem tão fundamental? Talvez tenhamos algum indício na própria encarnação. Nela, o invisível tornou-se visível. A segunda pessoa da Deidade (a palavra) assumiu carde e osso. Algo assim ocorre todas as vezes que falamos ou escrevemos. O mundo invisível da nossa personalidade assume características físicas, mediante letra mal traçadas com tinta ou sons da voz. (WILSON, 2017)

Para educar nossos filhos para a verdadeira liberdade, precisamos ensina-los o poder das palavras. É nesse contexto que precisamos falar sobre literacia familiar.

Mas o que é literacia familiar? São atividades intencionais em família para o desenvolvimento da linguagem de seus filhos, para ajuda-los a falar com desenvoltura e clareza, ler e escrever com precisão e compreensão.

Dentro de tantas possibilidades focaremos na que acredito ser a principal ferramenta da literacia familiar, a leitura em voz alta.

Por que ler é voz alta é bom?

  • Ajuda a desenvolver a prática da narração e, consequentemente, a oralidade
  • Desenvolve a ordenação temporal
  • Amplia o vocabulário e o imaginário
  • Instrui quanto a interpretação de textos

Quando deve fazer a leitura em voz alta?

Desde o berço. Quanto mais cedo iniciamos a leitura em voz alta, mais prazerosa e poderosa será essa ferramenta.

Com que frequência devo fazer leitura em voz alta com meus filhos?

Pelo menos uma vez por dia.

1. 3 “NÃO” DA LEITURA EM VOZ ALTA!

Não tenha receio de ler para crianças livros com capítulo grandes.

Não tenha medo de arriscar histórias mais complexas e maiores. São através dessas narrativas que eles vão adquirir um vocabulário maior e desenvolverão estruturas de frases mais ricas.

Não perca tempo lendo “fast-food”.

Dê prioridade a bons livros, livros que utilizam um vocabulário variado e histórias ricas em detalhes e significados. Quando abrimos um livro em família estamos convidando alguém para nos instruir. Dê prioridade a grandes autores, a homens e mulheres que expressam a beleza, a bondade e a verdade em suas obras. Não traga qualquer pessoa para sentar-se com você e sua família.

Isso significa que livros de quadrinhos, versões de cinema, e adaptações fracas devem ser postas de lado e reservadas para momentos de entretenimento.

Não tenha uma falsa expectativa.

Não espere que seus filhos sentem ao seu lado do e fiquem sempre atentos. Não espere que uma criança de 4 ou 5 anos vá ouvir quarenta minutos de leitura sem sair do lugar. Planeje atividades manuais para o momento da leitura: pinturas, massinha de modelar, recorte e colagem, etc.

2. 3 “SIM” DA LEITURA EM VOZ ALTA!

Faça as perguntas certas, de acordo com a idade:

3-10 anos – Quem, o quê, quando, onde

11-14 anos – O porquê, abstrações e relações com a vida deles

15 em diante – Como, o que você faria e como isso reflete uma verdade de Deus

Leia o livro antes do seu filho!

É melhor não ler nada ao invés de ler porcaria. Dê atenção especial ao que seus filhos estão lendo. É possível que no desenvolvimento dele, ele adquira uma leitura rápida e passará de você em quantidade de livros. Mas evite dar um livro para que ele leia sem que você tenha certeza do conteúdo do mesmo.

Escolha livros que sejam interessantes para seus filhos.

Não force em um autor ou tema de livros que não sejam do interesse dele. Caso isso aconteça, não tenha medo de dar uma pausa em uma leitura e voltar para ela depois. O momento em voz alta deve ser um tempo agradável para família. Você precisa ter sensibilidade.

Deixe uma resposta